Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

No Natal Ninguém Leva a Mal...

 

 

Confirma-se! O Natal afecta mesmo as pessoas. O espírito natalício afecta nã0 só o coração mas também a cabeça e restantes membros do corpo.

É insuportável andar às compras nestes dias. embora já tivesse comprado tudo de que necessitava, precisava daquelas coisas do dia-a-dia. Por isso, vá de ir ao supermercado.

Nestes dias, uma ida ao supermercado é uma autêntica aventura. Há vários desafios a enfrentar: a busca do cesto das compras desocupado; desvio de obstáculos - entenda-se pessoas (há pessoas que vão literalmente passear para supermercados atulhados de gente) - em movimento lento; corrida ao último objecto da espécie; teste de resistência à paciência (de espera na fila).

Entramos no supermercado e não há como levar as compras pois cestos e carrinhos foram extintos momentaneamente. Resmas, gingabaites de pessoas, ou seja, todas as pessoas da zona estão ali, naquele supermercado a fazer compras naquela hora. Depois há aquelas pessoas que andam a passear pelos corredores, de malinha às costas, sem compras e mais lentas que um caracol. Mas o pior de tudo é que entopem os corredores e não deixam ninguém passar!

As prateleiras praticamente vazias, são um verdadeiro incentivo à pratica de desporto, nomeadamente de luta livre. Só existe um exemplar do brinquedo da moda. é visto por duas pessoas que desatam a correr em direcção e ele. Quem for mais rápido tem a recompensa de o levar para casa. Só não contavam ser os dois tão rápidos e aquilo dá direito a enxovalho, nomeações, arranhadelas, dentes partidos e puxões de cabelos. Ao chegar à caixa, o vencedor verifica que o brinquedo está danificado.

Depois há as filas infindáveis para pagar. Até dá para nos evadirmos dali... Podemos imaginar que a fila é a Grande Muralha da China e nós estamos lá sentados a apanhar um solzinho na cara e a beber saqué. Só somos despertados pelos gritos esganiçados de alguém que reclama com outrém que passou à frente para perguntar algo à empregada da caixa.

Do outro lado, ouve-se a mesma converseta repetidas vezes vinda de um velho que se infiltra na fila com a desculpa que tem o direito de passar à frente, e que reclama com quem realmente tem acesso prioritário.

 

Que  espírito natalício será este, que desencadeia os instintos mais primários do ser humano e sentimentos negativos? Será o espectro do consumismo, mascarado de espírito natalício que deturpa os sentimentos nobres por que este é caracterizado? Ou sou eu que estou para aqui a divagar com os neurónios a piscar, qual luzinhas de Natal?